Neymar ‘destruiu’ o clima no PSG, afirma jornal

0
182
Twitter/ Reprodução

O ‘El País’ fez revelações sobre o clima tenso que se instaurou no Paris Saint-Germain, com a chegada de Neymar

O clima não está mesmo nada bom no Paris Saint-Germain. Mas, segundo matéria do jornal espanhol El País, as coisas começaram a dar errado muito antes do desentendimento entre os jogadores Neymar e Cavani, por conta da cobrança de pênaltis.

Em uma longa matéria assinada pelo repórter Diego Torres, o jornal relata como a contratação de Neymar simplesmente destruiu o clima nos vestiários da equipe. O problema teria começado com o presidente do clube, Nasser Al-Khelaifi. Ele teria se desesperado com a investigação da Uefa sobre a transação financeira do clube, que gastou 222 milhões de euros (quase R$ 825 milhões) para ter Neymar. Com isso, ligou para vários jogadores do elenco dizendo que teria que vendê-los às pressas. A lista inclui nomes como Di María,Pastore, Matuidi, Lucas Moura, Draxler, Ben Arfa, Aurier e Thiago Silva. Matuidi, de fato, acabou vendido. Ele, que era um dos grandes líderes do elenco, se revoltou com a ligação e forçou a saída para a Juventus por apenas 20 milhões de euros (R$ 74,3 milhões).

“Sua saída semeou o desânimo. Em maior ou menor medida, todos os integrantes do plantel se sentiram tratados como mercadoria em troca de abrir espaço para Neymar. No vestiário pairava uma pergunta: ‘Quem ele acha que é? Messi?’. À frente dos indignados, estava Edinson Cavani”, relatou o jornal.

Quando chegou, Neymar também não teria feito muito para melhorar o clima:

“Thiago Silva e Thiago Motta lhe explicaram que ali havia grandes jogadores que ele não poderia ignorar. Cavani exigiu respeito com os veteranos. Neymar os ouviu com ar distraído”, diz o El País.

O técnico Unai Emery convenceu o presidente de que precisava do grupo mais unido, e Al-Khelaifi voltou atrás, ligando para todos de novo e dizendo que eram intransferíveis. Mas já era tarde demais.

Ao estourar a crise pelo pênalti, Khelaifi entrou em ação de novo. O dirigente ligou para o Cavani e ofereceu o pagamento de um bônus de 1 milhão de euros (R$ 3,7 milhões), que seu contrato estabelece caso ele seja artilheiro do Francês, independentemente da quantidade de gols que marcasse. Com isso, esperava que ele abrisse mão da cobrança de pênaltis para Neymar. Só que o jogador uruguaio permaneceu irredutível.

Al-Khelaifi ainda tentou o caminho inverso, bajulando Neymar para que Cavani pudesse bater os pênaltis. O brasileiro, porém, também não cedeu. E, ao saber que o uruguaio teria se negado a abrir mão das penalidades, se revoltou e alegou a lesão no pé para não jogar contra o Montpellier. O jogo terminou em empate por 0 a 0 no sábado e foi o pior jogo do PSG na temporada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui