Uniformes de estudantes do Rio de Janeiro terão que informar tipo sanguíneo – Entenda!

0
362
Reprodução

Medida vale para alunos da rede municipal e privada

Os uniformes dos alunos da rede municipal e privada de ensino terão que informar o tipo sanguíneo e o fator Rh de cada estudante. É o que obriga a lei municipal 6.062, que foi promulgada em março de 2016 pela Câmara dos Vereadores e desde então era contestada na Justiça pela Prefeitura do Rio. A medida visa ajudar socorristas no momento de ajudar algum possível estudante ferido.

A decisão foi tomada nesta segunda-feira (30/10), quando desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio decidiram pela constitucionalidade da lei. Ao proferir seu voto durante a sessão, o desembargador relator, Gabriel de Oliveira Zefiro, alegou que a medida é importante diante da “violência” que assola a cidade:

“Com tanta violência que provoca o fechamento das escolas, a medida é importante e não gera tanto custo para o Poder Público”, afirmou o desembargador.

Só nesta terça-feira (31/10), a violência fez com que 37 unidades da rede municipal fechassem as portas. Ao todo, 12.353 crianças são atendidas por 19 escolas, nove creches e nove Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDIs) que suspenderam as atividades. As informações são da Secretaria municipal de Educação.

Proposta pelo vereador Renato Moura (PDT), a lei vale para todos os alunos dos ensinos fundamental e médio, tanto da rede municipal quanto da rede privada. De acordo com o texto, as identificações deverão ser afixadas na parte dianteira superior direita da peça do uniformes, sejam eles blusões, camisas, camisetas ou agasalhos. As informações poderão ser pintadas, bordadas ou afixadas de outra forma, desde que permanente e duradoura. A lei determina que uma opção padronizada seja adotada pelas escolas da rede municipal, sob responsabilidade da Secretaria municipal de Educação. Já as escolas particulares poderão definir a opção que melhor lhes convier.

Quando defendeu a proposta, em 2015, o vereador Renato Moura afirmou que a medida facilitaria o atendimento médico:

“Não saber o grupo sanguíneo e o fator Rh de uma pessoa pode retardar seu atendimento a ponto de colocá-la sob risco de morte. A adoção desta medida facilitará a assistência aos alunos em caso de ocorrência de emergência, contribuindo para que os diversos profissionais da área de saúde, a qualquer momento, possam desempenhar eficazmente suas atividades de socorro”, escreveu o vereador.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui