Escritora Judith Butler sofre agressão no aeroporto de Congonhas – Assista ao vídeo!

0
145
Escritora Judith Butler no aeroporto de Congonhas/ Reprodução

Uma mulher carregava uma placa e xingava filosofa. Uma testemunha também foi xingada.

Após protestos contra e a favor de suas palestras no Brasil, a filósofa Judith Butler, 61 anos, foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira (10/11). Segundo relatos de testemunhas, a escritora estava na área de check-in quando foi perseguida por uma mulher que segurava um cartaz com a foto desfigurada de Butler e gritava repetidos xingamentos, além de empurrá-la com o cartaz feito de madeira e cartolina.

A mesma agressora também teria proferido insultos racistas à atriz Danieli Lima que tentou intervir ao perceber a violência contra a filosofa.

“Vi a Judith Butler passando e uma senhora atrás com uma placa na mão chamando de pedófila, nojenta, que não era bem vinda no Brasil. Ela estava muito exaltada, uma agressividade muito grande, xingava em inglês e português e empurrava ela com o cartaz”, explicou ela, que estava embarcando para o Rio de Janeiro. “Eu fui atrás e falei que ela não poderia fazer isso, que ela precisava respeitar as pessoas”, conta ela.

Em seguida, a mulher teria se voltado para Danieli, e gritado mais ofensas:

“Quem é você? Você é feia, feia, olha o seu cabelo, olha a sua cor, vai pentear o cabelo, você é feia!”, relatou a testemunha, que registrou boletim de ocorrência na delegacia no próprio aeroporto por racismo. Danieli também escreveu sobre o ocorrido nas redes sociais:

O episódio foi confirmado pela Infraero, que afirmou que houve registros de gritos em Congonhas e que a segurança “agiu para garantir o embarque da escritora”. As agressões verbais começam aos 7 minutos e 30 segundos do vídeo abaixo.

No protesto contra a vinda de Judith ao Brasil, manifestantes haviam queimado uma boneca, vestida de bruxa, em tamanho natural com o rosto da autora. Segundo os manifestantes, a autora estimula a chamada “ideologia de gênero”. Além disso, eles levaram cartazes pedindo por intervenção militar e criticando a Organização das Nações Unidas (ONU).

Professora da Universidade de Berkeley, na Califórnia, Judith Butler, esteve no Sesc Pompeia, participando do seminário intitulado “Os Fins da Democracia”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui