in ,

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento – 40% não foram julgados

Foto: Flickr

País é o terceiro do mundo em número de detentos

Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) foi divulgada nesta sexta-feira (08/12) pelo Ministério da Justiça. O levantamento informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado.

Os dados indicam a superlotação das instituições e lentidão da justiça brasileira. Segundo o estudo, os 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, em uma média de dois presos por vaga.  Além disse, do total da população encarcerada, 40% são presos provisórios, isto é, ainda sem julgamento, segundo o estudo, desenvolvido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Dos 726.712 presos em junho de 2016, 94,8% (689.510) estavam nos sistemas penitenciários estaduais. Outros 5% (36.765) estavam custodiados em carceragens de delegacias ou outros espaços de custódia administrados pelas secretarias de segurança pública e menos de 1% (437) em presídios federais.

A maior população prisional do país está em São Paulo, onde há 240.061 presos. O estado é seguido por Minas, com 68.354, e Paraná, com 51.700. A menor população carcerária está em Roraima, onde foram registrados 2.339 presos.

De acordo com o diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Jefferson de Almeida, os dados do Infopen vão permitir que o governo elabore políticas para o sistema prisional no ano que vem e melhore a aplicação dos recursos públicos.

“A estatística vai permitir a correta aplicação dos recursos financeiros dentro das premissas que o estudo estatístico aponta”, explicou Almeida.

Ditador doou US$ 1 milhão para campanha de Lula, diz revista

Após doping, Guerrero, atacante do Flamengo e da seleção do Peru, é suspenso por um ano e pode ficar de fora da Copa