in

Adolescente com câncer se emociona em festa de 15 anos organizada por voluntários: “Como eu sonhava”

Izadora com os pais (Foto: TV Anhanguera/ Reprodução)

A estudante ganhou festa, vestido e até passeio de helicóptero

Após voluntários se mobilizarem, a estudante Izadora Silvestre realizou o sonho de ter uma festa de 15 anos em Goiânia. A adolescente, que luta contra um câncer na cabeça, ganhou tudo o que um evento de debutante pede, da maquiagem ao bufê. Inclusive, ela chegou ao evento em um helicóptero, como tinha pedido.

“Foi ótimo. Fiquei muito feliz, era como eu sonhava. No começo fiquei com medo do helicóptero, mas depois me acostumei. Foi tudo lindo”, contou a jovem.

A festa foi realizada na noite de sábado (13/01) e se estendeu até a madrugada. Mãe da estudante, Franciele Silvestre, conta que todos se emocionaram e se surpreenderam com a organização da festa, que teve show de dupla sertaneja e DJ. O evento reuniu cerca de 200 pessoas. Entre os convidados estavam colegas de escola de Izadora, cuja maioria ela não via há mais de 1 ano, pois parou de ir para as aulas por causa do tratamento.

“Foi tudo perfeito, especial, virou um chororô só, mas era um choro de alegria porque ela sempre sonhou com o aniversário. Foi um sonho realizado pra ela e para a família”, disse a mãe.

Campanha

A mãe da estudante conta que investiu todo o dinheiro que tinha no tratamento da filha, e, por isso, não tinha condições financeiras de realizar a festa. Como o evento era um sonho da menina, a família iniciou uma campanha em busca de ajuda para custeá-lo. Izadora também ganhou um ensaio fotográfico antes do aniversário.

Izadora Silvestre ao lado da mãe e da irmã durante o ensaio fotográfico (Foto: TV Anhanguera/ Reprodução)

Luta contra o câncer

Izadora cursava o 8º ano do ensino fundamental quando descobriu um tumor no cérebro, em 2016. Durante o tratamento, a adolescente passou por uma cirurgia para colocar uma válvula na cabeça, teve complicações, sofreu uma parada cardiorrespiratória por seis minutos e chegou a ficar em coma por um mês. Ao acordar, a menina não enxergava, não falava nem se mexia. Aos poucos, a estudante está se recuperando e tenta retomar os movimentos. Ela faz fisioterapia, além de prosseguir com o tratamento contra o câncer.

Vaidosa, a estudante conta que sofre por ter tido a aparência afetada pelo câncer, principalmente pela ausência de cabelo, que caíu por conta do tratamento. “Eu sinto muita falta dos cabelos”, disse Izadora.

Atentado a bomba no Iraque deixa cerca de 27 mortos e 64 feridos

Ataque a escola fere oito crianças e uma professora